<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d9284302\x26blogName\x3da+vida+%C3%A9+larga\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://avidaelarga.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://avidaelarga.blogspot.com/\x26vt\x3d3271629203448803517', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
|

17.1.05

viver todos os dias cansa.

pedro paixão

7 Comments:

Blogger INFORMANIACA said...

E eu cá não me importo de me cansar assim todos os dias....;)

9:58 da tarde  
Blogger augustoM said...

Por isso muita gente diz que a vida é uma canseira.
Aquestaocontinuada por motivos operacionais mudou de casa com o nome de Klepsidra. Espero lá por si.
Um abraço. Augusto

10:45 da tarde  
Blogger simples.mente...T said...

Se cansou foi porque gastámos energias, porque a aproveitámos...mas eu...mudaria o verbo para dizer que ela me esgota quanto tento frui-la intensamente.

11:32 da tarde  
Blogger Rita said...

Excelente livro de Pedro Paixão.

Há mais quem fale sobre o tema; aqui fica:

VIVER SEMPRE TAMBÉM CANSA!

Viver sempre também cansa!

O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinza, negro, quase-verde...
Mas nunca tem a cor inesperada.

O mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas, frutos e pássaros
como máquinas verdes.

As paisagens também não se transformam.
Não cai neve vermelha,
não há flores que voem,
a lua não tem olhos
e ninguém vai pintar olhos à lua.

Tudo é igual, mecânico e exacto.

Ainda por cima, os homens são os homens.
Soluçam, bebem, riem e digerem
sem imaginação.

E há bairros miseráveis, sempre os mesmos,
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe, automóveis de corrida...

E obrigam-me a viver até à Morte!

Pois não era mais humano
morrer por um bocadinho,
de vez em quando,
e recomeçar depois,
achando tudo mais novo?

Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,
morrer em cima de um divã
com a cabeça sobre uma almofada,
confiante e sereno por saber
que tu velavas por mim, meu amor do Norte.

Quando viessem perguntar por mim,
havias de dizer com o teu sorriso
onde arde um coração em melodia:
"Matou-se esta manhã.
Agora não o vou ressuscitar
por uma bagatela."

E virias depois, suavemente,
velar por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo...




José Gomes Ferreira

11:33 da tarde  
Blogger ouves-me? said...

jorge,

não consigo. tentei no footer mas o resultado foi nulo. em que parte do template devo colocar toda o page do website? o paste é sobre todo o textoque encontro no link?
abraço,
joao das nuvens

12:18 da manhã  
Blogger musalia said...

Eu gosto de viver. Gosto de acordar todos os dias, mesmo que me deite destroçada por certas vivências, pela luta quotidiana.
E gosto de lutar. Mesmo que a luta me canse...

beijos, Jorge.

11:51 da tarde  
Blogger FataMorgana said...

Gosto do livro, do autor, o título é bonito, independentemente de ambos... e é verdade. :)

11:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home


referer referrer referers referrers http_referer Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com Blogwise - blog directory