<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d9284302\x26blogName\x3da+vida+%C3%A9+larga\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://avidaelarga.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://avidaelarga.blogspot.com/\x26vt\x3d3271629203448803517', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
|

14.2.05

viver mata

...


esta coisa da falência do corpo (por enquanto passageira - recaída em gripe) tem muito que se lhe diga para quem, como eu, sempre o viu como um meio de ir aos sitios, sentir as coisas, belo instrumento, usa e abusa.

esta perspectiva implica um certo desprezo pelo comum conceito de saúde. o que mata não é fumar, é viver.

no maior respeito pelo corpo dar-lhe abrangentes estímulos contactos e razias parece-me, também a posteriori, óbvio e normal. a própria fragilidade de tudo nos empurra para essa riqueza...

é quando ele se nos falha que sublinha o seu lado de entrave, de obstáculo, um copo que partido corta e não se enche a saciar-nos. esse lado, que sempre está, de ridiculas e pequeninas limitações, de mil dependências e fragilidades, será a barreira para o próximo estado humano: a ultrapassagem, a mais de cento e oitenta e pela direita, do corpo tronco preso.

e agora vou deitar a cabecita na almofada que a febre já chegou e vem maluca.


...

13 Comments:

Blogger soledade said...

A propósito de uma gripe escreves um belo texto. Tenho pensado nisso, também - a consciência do corpo só desperta verdadeiramente quando entra em falência. De resto, é dado adquirido, habita-se, usufrui-se, não se pensa.
Cura-te depressa :-)
beijinho

10:11 da tarde  
Blogger stillforty said...

Também eu apanhei a gripe, mas já estou melhor, mas de três dias de febre, não te livras.
Melhoras e beijinho.
Gostei muito do texto.

10:43 da tarde  
Blogger mfc said...

O que é preciso é viver!
Morrer cheio de saúde deve ser muito chato...

10:51 da tarde  
Blogger pipetobacco said...

{ ... nascer pra’viver – viver pra’morrer © exactu ... }{ abraço }

11:41 da tarde  
Blogger paopbocca said...

Jorge, é Jorge o teu nome aqui não é?
Cura-te depressa, são os meus sinceros votos.
Recuperação rápida que eu tive uma gripe que quase ia ficando sem cabeça, de tanta febre.

caldinhos quentes. não há como a mulherznha para os aquecer e dar mimos. espera aí, se calhar não és casado.
beeeemmm. põe-te bom.
gostei do teu blog.

3:36 da manhã  
Blogger trintapermanente said...

quando a cabeça não tem juizo. o corpo é que paga

12:40 da tarde  
Blogger blimunda said...

são caldinhos, jorge, são caldinhos o que te trago hoje. com muitos miminhos. que bem precisas. para ver se arrebitas... beijo

1:16 da tarde  
Blogger augustoM said...

Em primeiro lugar as rápidas melhoras. Quanto à assimetria entre a cabeça e o corpo, é normal e lógica. Como seria o nosso corpo se tivesse de corresponder a tudo de que a cabeça se acha capaz.
Um abraço. Augusto

3:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

... de febril cabeça corpo e alma... eu acalmo-me sonho e escrevo com mais graus que o sol...

Beijinho grande
www.lbutterfly.blogs.sapo.pt

4:52 da tarde  
Blogger Angelica said...

Bom Noite ! Estou fazendo visitas em vários blogs e encontrei o seu. Espero que não se importe. Gosto muito de escrever e fazer amigos.Espero estejas melhor do resfriado! Voltarei outro dia para saber das novidades. Até lá! Beijocas

10:54 da tarde  
Blogger simples.mente...T said...

Se pudesse dizer o que me matou depois de morrer...talvez dissesse: foi qualquer escolha que fiz quando tive o privilégio de viver.
as tuas melhoras

12:27 da manhã  
Blogger Águas de Março said...

Viver, também é não saber qual vai ser o passo seguinte.
O corpo é mestre!
Beijos.

8:19 da manhã  
Blogger vague said...

Cruzo agora as pontes da largura da vida. Que é larga, intensa, até no abandono.
Dispenso a gripe, ainda estou na ressaca de uma.
Boas melhoras :)

8:49 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home


referer referrer referers referrers http_referer Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com Blogwise - blog directory